Quer saber mais?

Preencha o formulário. Nós ligamos para você.

Cargas perigosas: um olhar para as nossas operações


Cargas perigosas: a necessidade de um cuidado redobrado já vem no nome. Chamadas também de cargas IMO, sigla em inglês para Organização Marítima Internacional (órgão intergovernamental da ONU que classificou as cargas perigosas), ela é toda e qualquer substância que, dadas às suas características físicas e químicas, possa oferecer, quando em transporte ou armazenamento, riscos à segurança pública, saúde de pessoas e meio ambiente.

Conforme a Resolução n.5232/2016, que traz as instruções sobre o tema, são mais de 3 mil itens considerados perigosos, os quais são divididos em nove classes:

1 – Explosivos;
2 – Gases;
3 – Líquidos inflamáveis;
4 – Sólidos inflamáveis;
5 – Substâncias combustíveis e materiais oxidantes;
6 – Substâncias tóxicas (venenosas) e infecciosas;
7 – Materiais radioativos;
8 – Materiais corrosivos;
9 – Mercadorias perigosas diversas.

Assim, é essencial que empresas que vão trabalhar com este tipo de mercadoria tenham alguns cuidados básicos, como:

Atenção aos documentos

O primeiro ponto são os documentos necessários. Um deles é a Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico (FISPQ), que contém todos os dados relativos às propriedades e especificações da carga e possibilita que a transportadora defina os procedimentos ideais para a manipulação e movimentação da carga. Também são necessários: Ficha de emergência, MDGF (Multimodal Dangerous Goods Form – Formulário Multimodal de Mercadorias Perigosas), MDSD (Material Safety Data Sheet – Folha de dados de segurança do material) e a Nota fiscal.

Atenção à infraestrutura e ao seguro

É importante estar atento à infraestrutura do transportador e da armazenagem para este tipo de carga. Além de garantir a segurança da carga e de todo o ambiente em volta, essas regras garantem a cobertura do seguro. Conforme Cristiano de Oliveira, da Unnity Corretora de Seguros, empresa parceira da Freitas, antes de receber este tipo de mercadoria, o transportador precisa estar de acordo com a regulamentação das cargas perigosas para que todas as situações sejam garantidas. “Dentro das operações portuárias essa regulamentação é mais controlada pois está diretamente vinculada à certificação OEA”, afirma.

Além disso, uma outra dica relacionada ao seguro diz respeito a responsabilidade solidária, ou seja, quando o importador e/ou exportador é responsabilizado de forma solidária em caso de quebra de exigências dos órgãos reguladores ou falhas que venham causar danos materiais e/ou corporais a terceiros e ao meio ambiente. Nesse caso, a orientação é que as empresas adotem critérios rigorosos na seleção e contratação de seus prestadores de serviços: transportadores e armazéns gerais que irão manipular seus produtos.

Leia mais em: Cuidados na contratação do seguro de transportes internacionais.

Atenção às embalagens e sinalizações das cargas IMO

As cargas perigosas contam com embalagens próprias para cada classe e característica, o que inclui a identificação do item, os símbolos e alertas quanto aos riscos que oferece, entre outros.

Esses são apenas alguns dos pontos de atenção necessários. Assim, se você trabalha ou está pensando em trabalhar com este tipo de carga, conte com parceiros experientes em todo o processo: com conhecimento e atendimento a todas as exigências necessárias, o perigo não ultrapassa o nome da carga!

Venha bater um papo com a gente, temos uma equipe especializada e parceiros que podem te deixar seguro e tranquilo! 😉

Abraços,
Equipe Freitas